Aspectos ambientais e socioeconômicos dos meios de vida da agricultura familiar na Amazônia Oriental: pecuária e sistemas agroflorestais com cacau

Dados Gerais

Localização
Estado do Pará, abrangendo dois eixos de desmatamento da floresta amazônica: BR-230 e PA-279. Municípios de estudo: Altamira, Anapu, Pacajá, Senador Porfírio, Medicilândia, Uruará, Novo Repartimento, São Félix do Xingu e Tucumã.
Início
2015
Equipe
Doutorando Daniel Palma Perez Braga, orientador Prof. Dr. Edson Vidal (LASTROP) e co-orientador Prof. Dr. Flávio Gandara (Lab. Agroecologia)
Apoio
Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA) e Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC)
Patrocínio
Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz (Fealq)

Objetivos

Verificar a contribuição do SAF-cacau e do pasto para a conservação das árvores nativas. Identificar os benefícios sociais e econômicos do SAF-cacau e da pecuária, bem como sua complementariedade como meio de vida sustentável.

Descrição do Estudo

Buscamos responder três perguntas: (1) Entre SAF-cacau e pecuária, quais suas vantagens e desvantagens a fim de propiciar meios de vida mais sustentáveis para os agricultores familiares?; (2) Qual o retorno financeiro promovido pelas atividades de SAF-cacau e pecuária?; (3) Como o SAF-cacau e o pasto conservam as espécies arbóreas nativas regionais?

Avaliações em Andamento

Estão sendo realizadas medições de dados biológicos em campo, com 32 parcelas em cada tratamento (SAF-cacau e Pasto) para levantamento da estrutura e composição da vegetação arbórea, bem como aplicação de 45 roteiros de entrevista semi-estruturados. Além das atividades de campo, também estamos trabalhando com a revisão bibliográfica, identificação botânica, processamento e análise dos dados.

LASTROP - ESALQ - USP
Avenida Pádua Dias   11   São Dimas
Piracicaba   SP   13418 900   Brasil
19  3447 6603
ESALQ / USP - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz